16 junho 2009

Arcervo sobre Timor-Leste na FEUP


No próximo dia 18 de Junho, quinta-feira, pelas 11h00, irá ser realizada a Inauguração da Instalação do Acervo Bibliográfico do IASI - International Institute for Asian Studies and Interchange/ Instituto Internacional para o Intercâmbio e Estudos Asiáticos relacionado com Timor-Leste. O evento decorrerá na Biblioteca da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), contando com a participação de Kirsty Sword Gusmão - Presidente de The Alola Foundation e esposa do primeiro-ministro de Timor-Leste Xanana Gusmão - de Antoninho Baptista Alves, Director do Arquivo & Museu da Resistência Timorense, e de representantes da Fundação Mário Soares e da Galp Energia, entre outros.
Consistindo em cerca de 2500 obras sobre Timor Leste, a Indonésia e a Política Internacional relacionada com a questão Timorense, este acervo bibliográfico foi disponibilizado pelo Professor António Barbedo de Magalhães, professor catedrático da FEUP e presidente do IASI. Segundo este responsável, “dentro de dois anos e meio irá juntar-se a este acervo o acervo arquivístico que já está na FEUP, e que reúne jornais, revistas, fotografias, cassetes áudio e vídeo, etc.”. Mais tarde todo este acervo deverá ser enviado para Timor Leste e integrar o Arquivo da Resistência Timorense. Autor de sete livros sobre Timor-Leste e a Indonésia, Barbedo de Magalhães foi mobilizado em 1974 para Timor, tendo, já doutorado, coordenado o trabalho de uma equipa luso-timorense que elaborou um projecto para a reestruturação do ensino em Timor, com vista a uma eventual independência a médio prazo. Foi membro da CDPM (Comissão para os Direitos do Povo Maubere), da APJTL (Associação Paz e Justiça para Timor-Leste) e da Comissão Organizadora das Jornadas de Timor da Universidade do Porto, tendo organizado numerosas conferências em Portugal, Alemanha, Austrália, Estados Unidos, Canadá, Brasil e outros países. Sendo hoje presidente do IASI - International Institute for Asian Studies and Interchange, docente da FEUP e investigador do INEGI, Barbedo de Magalhães leccionou também nos cursos de licenciatura em Relações Internacionais da Universidade de Coimbra e de licenciatura em História da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Foi docente convidado, em sucessivos anos, no European Master Degree in Human Rights and Democracy da Universidade de Coimbra e no Curso de Mestrado em Relações Interculturais da Universidade Aberta, tendo sido também professor do Curso de Pós-Graduação em Estudos Orientais da Universidade Católica, em Lisboa. Ao longo dos anos, organizou vários cursos livres sobre Timor-Leste e a Indonésia e fez numerosas comunicações sobre esses temas.

Fonte: Notícias UP

Ver aqui Programa completo.

3 comentários:

Anónimo disse...

Em busca de uma opinião...

Qual é que será o melhor Mestrado em Arquivìstica? Letras ou Nova?

Têm algum conselho?


PH

Moonbeam disse...

Olá, bem vindo/a!

Ambos são Mestrados recentes, apesar de em termos de Pós-Graduações a de Letras existir há pelo menos duas décadas.
O melhor e pior são sempre relativos.
Nós tirámos na Nova. Temos os nossos pontos positivos (excelentes docentes, boa turma, creio que todos podemos dizer que aprendemos bastante), outros nem tanto (ausência de IT, alguma repetição a nível de conteúdos para mesmas cadeiras talvez por o curso ser relativamente recente na faculdade, acompanhamento nem sempre foi o desejado/necessário). Quanto à Clássica apenas tenho de experiência a Licenciatura e colegas que posteriormente seguiram Bibliotecas e estão satisfeitos.
A diferença é que a candidatura à de Letras para além da análise curricular tem (ou tinha) um exame escrito e entrevista, e na Nova apenas tem se considerarem necessário para efeitos de desempate ou em caso de dúvida.

Boa Sorte!

Anónimo disse...

Obrigado.

Só para ser ainda um pouco mais chato...E o mercado de trabalho?


PH